quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Santa Helena Cabernet Merlot 2007 (Chile)


Voltando depois de um período de abstinência e recuperação de uma cirurgia de apendicite, está tudo bem e o DegustEno volta à ativa!

Pra essa volta, vim devagar e vamos aos poucos. Vinho de dia-a-dia e marca fácil.

Os Santa Helena se notabiliziam pelos blogs de vinhos da internet por ganhar avaliação "três" e ser dito como vinho corriqueiro. Se por um lado não são nada de fenomenais, por outro são boas opções para o bolso e descontração.

Esse bivarietal de cabernet sauvignon e merlot da vinícola foi aberto mais de uma hora antes de ser tomado e decantado. No copo as lágrimas são muitas e constantes (13,5°), cor grená brilhante. Seu aroma diz o que será o vinho. Alcoólico. Incomoda o álcool que mesmo depois de uma hora decantando, mesmo depois de meia garrafa tomada ainda está ali nos acompanhando. O cheiro de madeira não incomoda, frutas ao longe (como é típico da linha). Fica a impressão da "quase-fruta". Há um odor terroso que a mim não era desagradável, mas também não me animava muito.
Na boca taninos jovens ainda amarrando a boca, pouca persistência e a terra novamente aparecendo.

Não chega a ser ruim. Esse rótulo ainda pode ser guardados para vinhos que sabidamente e sensivelmente são piores, mas tampouco é "três taças" como o resto da linha reservado. Na hora de comprar, prefira um cabernet sauvignon da mesma marca.

3 comentários:

Vinho para Todos disse...

Gostei do termo "quase fruta". Vou tomá-lo emprestado em ocasiões futuras, se não se importa.

Saúde!!! Não se preocupe com a perda do apêndice. Como o próprio nome diz, estava "sobrando" no seu organismo.

Avaliador de Vinhos disse...

Satisfação pela volta do "Degusteno".

Quanto ao Santa Helena, já o vi bater em degustações com amigos alguns vinhos endeusados pela crítica dita especializada.

Gosto dele, principalmente do carmenère.

Saúde e paz!

Leonardo De Araujo disse...

Saúde, literalmente.
Fico feliz em saber de sua recuperação.
O Riuo Sol 2004 me pareceu já passado, portanto é possível que bebido há um ano atrás tivesse outras características.
De fato, li em outros blogs as notas de degustação dos confrades e não encontrei o mesmo que eles.
O lance químico (da acetona) pareceu algo que veio desse final-de-vida do vinho.
Quanto ao Santa Helena, na maioria das safras sai um vinho que passa. De quando em quando eles erram. Chilenos baratos, prefiro os carmenère também. Interessante como essa uva faz vinhos mais fáceis de beber nas linhas custo-benefício.

Brindes
Leonardo
http://vivaovinho.blogspot.com